Avaliações para Seguro e Engenharia de Riscos

Avaliações para Seguro e Engenharia de Riscos

 

Os procedimentos mais modernos de Gerenciamento de Riscos indicam a correta avaliação dos bens como um dos fatores mais importantes para a contratação dos seguros.

Independentemente da forma de contratação do seguro, Risco Operacional Nomeado ou Multirrisco, se a primeiro risco relativo ou absoluto, a definição precisa da importância segurada é fator primordial para um seguro bem feito, garantindo a não aplicação do rateio em caso de um eventual sinistro. Como é sabido, os complexos industriais, de agroindústria, de mineração /processamento, infraestrutura, etc. estão em constante alteração, seja em função denovos investimentos ou desinvestimentos provocados por mudanças no panorama do mercado, inovações tecnológica ou novas configurações nas estratégias de produção globalizada. Desta maneira, é fácil perceber a importância do constante monitoramento dos valores em risco visando evitar o pagamento de prêmios super ou subestimados. No primeiro caso o segurado estaria desperdiçando dinheiro e no segundo correria o risco de entrar em cláusula de rateio no caso de um sinistro. No passado era comum que a determinação do montante segurado tivesse como base como base o valor contábil dos ativos. Naturalmente, essa prática hoje não tão comum, mas ainda utilizada, é extremamente inadequada pois se até 1995 o valor residual contábil era depreciado e corrigido monetariamente, partir dessa data o valor residual contábil passou a ser somente depreciado, deixando de existir a correção monetária.Assim, fica claro que o valor residual contábil apresenta uma curva de valorização inversa daquela do custo de reposição (novo ou depreciado). Dessa forma temos que a avaliação técnica dos ativos, efetuada por empresa especializada em engenharia de avaliações e de acordo com as determinações normativas da NBR 14653 da ABNT é a única maneira segura para a real apuração do valor em risco. Assim, uma avaliação técnica para fins de seguro deve contemplar, entre outros, os seguintes procedimentos: vistoria detalhada de cada ativo, cotações ou orçamentos para determinação do valor de reposição novo e cálculo da depreciação técnica, necessária para o estabelecimento do valor máximo para seguro e valor atual. Outra vantagem da contratação de avaliação técnica para fins de seguro, é que as informações contidas nos laudos, complementadas pelos investimentos e desinvestimentos ocorridos a cada ano e devidamente informados pelo segurado, permitem a segura atualização técnica do VR (correção (U$,R$,E$) / depreciação) no período entre as avaliações periódicas. Portanto, o relatório de avaliação espelha a realidade do imobilizado técnico operacional e fornece para os Gerentes de Risco importantes ferramentas para formatar as apólices e negociar com as seguradoras condições diferenciadas no que diz respeito a custos, franquias e cláusulas especiais, além da real e segura definição doLMI – Limite Máximo Indenizável,PMP – Perda Maxima Possível, DMP – Dano Máximo Provável.